Paralisação dos caminhoneiros torna-se crítica para o setor de saúde

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (ABRAMED), diante do prolongamento das severas dificuldades logísticas que se apresentam neste momento no País, alerta para o agravamento das condições minimamente necessárias para a assistência à saúde da população.

Diante desse cenário, enfatizamos o caráter emergencial para adoção das seguintes medidas:

1) Priorização absoluta pelas companhias aéreas no transporte de insumos vitais, entre os quais reagentes e contrastes, para a realização de exames críticos para a investigação e tratamento de pacientes portadores de doenças que necessitam de intervenção imediata e contínua, como os casos oncológicos. Estão sendo recorrentes relatos de laboratórios de análises clínicas e de imagem em relação à falta de priorização dessas cargas nas aeronaves, fato que coloca em risco a estabilidade das amostras coletadas dos pacientes, bem como a chegada desses materiais essenciais para processamento de exames. A falta de diversos insumos já é observada em muitas regiões do País, onde a cooperação entre diferentes instituições para a troca de materiais é uma alternativa que também está se esgotando;

2) É fundamental que as autoridades priorizem o abastecimento de combustível de veículos destinados aos serviços de saúde pública e privada, que transportam órgãos transplantados, peças cirúrgicas para biópsia, materiais biológicos para análise laboratorial e insumos para realização de exames; e

3) Escolta policial aos veículos destinados a serviços de saúde nas regiões e rodovias com manifestações.

Salientamos para o fato de que exames diagnósticos são fundamentais para a conduta clínica a ser adotada pelos profissionais médicos em cada caso. A situação atual traz risco relevante aos cuidados fundamentais de pacientes portadores de doenças que necessitam de intervenção imediata e contínua.

Diante desse cenário, a ABRAMED, que representa laboratórios de todas as regiões brasileiras, reitera sua mais elevada preocupação, realçando a urgente necessidade de reflexão sobre as consequências que estão sendo impostas às pessoas na busca de serviços essenciais de saúde.

A ABRAMED criou um comitê de crise sobre a greve dos caminhoneiros para acompanhar o caso e dar suporte ao setor de medicina diagnóstica. Para mais informações, a diretora executiva da associação, Priscila Franklim Martins poderá ser contatada, (11) 95034-0469 ou via e-mail, priscila.martins@abramed.org.br.

ABRAMED

Relacionados