Lançada versão 2019 do Painel Abramed – O DNA do Diagnóstico

Com indicadores setoriais, estudo traz um retrato atualizado da medicina diagnóstica no país

Na noite de 29 de agosto, durante jantar de confraternização que antecedeu a realização do 4º FILIS – Fórum Internacional de Lideranças da Saúde, a Abramed (Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica) lançou a versão 2019 do painel Abramed – O DNA do Diagnóstico. A segunda edição da publicação, que compila indicadores setoriais do ano de 2018, traz um panorama geral da medicina diagnóstica do país com dados extremamente relevantes sobre a importância do segmento para a estrutura de saúde brasileira.

“A Abramed, apesar de ser uma associação de medicina diagnóstica, não olha para o setor de forma isolada, mas sim como parte de um sistema. Consolidamos no Painel dados do setor de diagnóstico e os contextualizamos dentro de toda a cadeia da saúde”, pontua a diretora-executiva da Abramed Priscilla Franklim Martins.

Corroborando com essa perspectiva, Álvaro Almeida, responsável pela área de inteligência setorial da Abramed, confirma que o painel visa apresentar dados relevantes para o setor como um todo e, para isso, depende totalmente da contribuição das marcas associadas. “Para que a publicação possa cumprir o seu papel, precisamos de informações consistentes que possam ser utilizadas, inclusive na análise e na tomada de decisões. Precisamos nos basear em fatos reais considerando também os cenários político e macroeconômico”, diz ao ressaltar a importância da participação das empresas na construção do estudo.

A publicação surgiu como uma resposta da entidade à carência de informações acerca do setor de medicina diagnóstica e visa, também, contribuir para a maior transparência da área. Assim, consolida dados das empresas associadas e promove um levantamento estratégico e organizado do segmento.

Estrutura do Painel Abramed

A edição 2019 traz seis seções distintas. A primeira apresenta dados sobre a população e a demografia do Brasil, enfatizando indicadores sobre o envelhecimento populacional, fecundidade, natalidade e mortalidade. “Buscamos contextualizar aspectos que impactam diretamente o desempenho do setor. Falamos, por exemplo, sobre transição demográfica, mudanças na estrutura etária da sociedade e na demanda por serviços de saúde. A população idosa é frequentemente acometida por doenças crônicas, o que demanda um consumo específico de procedimentos ambulatoriais e hospitalares”, explica Álvaro.

Na sequência, é apresentada uma conjuntura econômica do Brasil e o panorama do mercado de trabalho. A terceira seção aborda o mercado de saúde, tanto público quanto privado. Nessas páginas o estudo apresenta uma síntese da estrutura da saúde suplementar brasileira, além de abordar alguns aspectos sobre os planos de saúde. Também são apresentados dados de demografia médica e gastos em saúde.

Posteriormente, a edição 2019 do Painel Abramed fala especificamente sobre o mercado de medicina diagnóstica, detalhando informações sobre o número de estabelecimentos de saúde com finalidade diagnóstica, equipamentos em saúde e a produção assistencial do setor. “É imprescindível a utilização racional de procedimentos de diagnóstico, considerando a necessidade de equilíbrio entre benefício e risco para o paciente”, destaca Priscilla.

Entram na quinta seção temas relativos às tendências do setor como healthtechs, wearables, inteligência artificial e telemedicina. O mercado de medicina diagnóstica é um dos que mais evolui e inova a cada ano. O avanço de tecnologias permite que os exames de diagnóstico sejam realizados em grande escala, em menor tempo, com melhor qualidade e precisão. Priscilla ressalta ainda que “ao contrário do que se propaga, as novas tecnologias desempenham um papel essencial na qualidade e na precisão do diagnóstico, elevando as chances de cura”.

Durante a produção do painel, um conjunto de executivos de empresas associadas apontaram algumas tendências e desafios para o segmento. “Nessa edição, temos três boxes resultantes dessa abordagem: um detalhamento sobre o papel da medicina diagnóstica e sua participação no ciclo de cuidados; um descritivo sobre o uso racional de procedimentos de diagnóstico; e uma explicação sobre novas tecnologias de diagnóstico por imagem e exames laboratoriais”, diz Álvaro.

Para encerrar, a sexta seção apresenta a consolidação de um conjunto de informações das empresas associadas à Abramed considerando o perfil institucional; os recursos humanos; a produção assistencial; a avaliação dos fornecedores e satisfação dos clientes; o desempenho econômico-financeiro; e aspectos de governança corporativa.

A publicação traz ainda um espaço dedicado aos associados para inserção de conteúdo institucional, e informações técnicas como, por exemplo, número de unidades, estados de atuação e número de pacientes atendidos/ano.

Confira, abaixo, alguns dos números destacados na edição 2019 do Painel Abramed – O DNA do diagnóstico:

Setor

  • Mais de 24 mil estabelecimentos de serviço de apoio de diagnóstico e terapia
  • O mercado de medicina diagnóstica movimentou entre R$ 42,0 e R$ 45,5 bilhões em 2018
  • Proporção das despesas com exames complementares na saúde suplementar foi de 18,2% e corresponde a R$ 33,6 bilhões
  • Mais de 2,3 bilhões de exames de diagnósticos realizados no Brasil
  • 722 laboratórios clínicos
  • 884 estabelecimentos de serviços de diagnóstico por imagem
  • 253,5 mil postos de trabalho

Associadas

  • 24 empresas/grupos associados à Abramed
  • Receita bruta de aproximadamente R$ 7,3 a 9,6 bilhões
  • 480,8 milhões de exames realizados
  • 83,4 milhões de laudos acessados através da internet (associadas à Abramed)
  • 14,9% dos pacientes não comparecem para realizar exames previamente agendados

Clique AQUI para baixar a nova edição do Painel Abramed – O DNA do diagnóstico.